A História do Voo Livre

O início do vôo livre no Espírito Santo caracterizou-se, acima de tudo, pela coragem e ousadia dos seus praticantes. As normas de segurança, inovações técnicas e novos equipamentos ainda eram desconhecidos no estado. Mas de 1976 até agora muita coisa mudou.

1976 – Irencyr Beltrão faz um vôo de exibição decolando do Penedo e pousando na Beira-Mar. O fato foi presenciado pelo pára-quedista capixaba Luiz Carlos Fragoso.

1977 – Fragoso vai ao RJ, compra uma asa delta e faz um curso rápido. Volta para Vitória para continuar treinando sozinho, enfrentando muitas dificuldades.

   

1978 – O piloto carioca Cláudio Duvivier, que era instrutor, vem a Vitória, voa no Morro do Moreno, na Praia da Costa, e participa de treinos rápidos para alguns interessados.

1979 – Fragoso convida seu amigo Morris Brown para acompanhá-lo. Morris fica muito entusiasmado e logo começa a treinar. Em seguida compra sua primeira asa para treinamento. Morris, que falava inglês fluentemente, começou a adquirir revista e livros estrangeiros iniciando um estudo aprofundado da parte teórica e prática para complementar seu aprendizado.

1980 – Com mais algumas pessoas interessadas com Baducho, Coquinho, Larica, Felipe e outros, o piloto carioca Boby vem a Vitória ministrar pequenos trinos que não chegavam a ser propriamente um curos. Boby vende também algumas asas. A partir daí surgem Guevem, Guigui e José Carlos.

1981 – Neste ano iniciam treinamentos Wilde, Toniato e João Maciel, que se tornam pilotos no início de 82. Inicia-se uma grande fase de pesquisa, descoberta e exploração de locais novos para vôo. Nesta procura por novos points, os pilotos capixabas detém a marca de terem sido os primeiros a voar no Pico da Bandeira, durante temporadas, em 3 anos seguidos.

1983 – Numa iniciativa de Morris, Toniato, Fragoso e Gueven foi fundado o Clube Capixaba de Vôo Livre(CCVL), já congregando muitos interessados e conseguindo filiação na associação Brasileira de Vôo Livre. Neste período aconteceram muitas apresentações em cidades como Itaguaçu, Castelo, Várzea Alegre, Muniz Freire, Ibatiba, Ibiraçu, Colatina, Rio Novo do Sul, Cachoeiro do Itapemirim e barra de São Franscisco a convite das Prefeituras.

1984 – Com o objetivo de ampliar o número de praticantes, o CCVL cria um curso permanente para formação de novos pilotos e institui seus primeiros instrutores credenciados. Nesta época são ministrados dois cursos, formando uma média de 20 pilotos.

1986 – a partir desta data os cursos são dados por instrutores independentes(Fragoso) e continua Havendo uma constante formação de novos pilotos.

1989 – No dia 30 de maio de 89, os pilotos do CCVL reuniram-se e constituiram a Associação de vôo Livre do Espírito Santo, hoje temos cerca de 90 pilotos associados. Estamos trabalhando para termos instrutores e pilotos documentados e bem formados.

 

 

Marx C. Borges Loureiro – 268-G
Presidente da AVLES