Pilotos AVLES em São Lourenço na Etapa do Sul Mineiro de 2009

Decolagem na rampa de São LourençoPilotos AVLES: Zenilson Rocha, Reinaldo Batista e Milton Vilela, compareceram na segunda etapa do Campeonato Sul Mineiro realizado nos dias 19 a 21 de Junho na Cidade de São Lourenço, Minas Gerais, cerca de 800 km de Vitória-ES.

 

A idéia de sair em campeonatos em outros estados surgiu ainda no ano passado. Como as ultimas etapas do nosso CCVL 2009 não tem sido animadores, devido ao período de inverno, constantemente contando com a sorte, com a previsão do tempo nada animadora; na penúltima etapa surgiu então a convicção de participar no período de inverno em local onde realmente acontecia os vôos tão esperados, não deixando de lado é claro as etapas capixabas, porem, aproveitar o período pra tentar afinar em campeonatos.Então fizemos nossa inscrição e preparamos para a tão esperada etapa de são lourenço, a segunda etapa do Campeonato Sul Mineiro. São lourenço, uma cidadezinha do interior de Minas, muito aconchegante e fria, nos abraçou com carinho e muita amizade. Os pilotos e a rampa estão de parabéns, pois não conhecia um local tão prazeroso pra voar e estar com amigos. Pena que não sabíamos do prazer de estar num local tão legal com a família, seria um bom momento em família também, tenho certeza. Nosso viagem deu-se inicio na quinta dia 18, porem não foi nada fácil, percorrer de carro, os 800 km, atravessando o Espírito Santo, Rio de Janeiro e quase chegando ao Estado de São Paulo, seguindo para Minas Gerais. Depois de vários abastecimentos (GNV) e diversas paradas (pra esticar as pernas) chegamos a noite em São lourenço, após um dia inteiro de viagem, quase 10 horas, estávamos na cidade, ao chegar na Pousada Santo Antonio (http://www.pousadasantoantonio-mg.com.br) indicada pela organização do Evento, e diga-se de passagem, os gêmeos que nos atenderam eram de grande gentileza e prestatividade, fomos descansar. Sexta dia 19, ao amanhecer, e que alivio, pois sabíamos que o Sol estaria nos esquentando, porque as cobertas não deram conta, numa noite de aproximadamente 5 graus (pra nós capixabas que vivem próximo a praia, nunca pegamos nem 18 ou 20 graus). Bem, logo de cara encontramos vários colegas de Niterói, dentre eles o Ceará, Flash Paragliders, gente fina, de caráter e muito animador, montamos a barca e seguimos pra rampa. Ao chegarmos na rampa, já não foi surpresa, a galera de São Lourenço trabalhando pra o evento que se iniciaria.

Comissão de Prova  Prova 

Fizemos nossos reconhecimentos e buscamos um local na rampa, iniciamos a preparação dos nossos equipos. Mas desde cedo podemos perceber que nossos equipos DHV 2, seriam apenas alguns em meio a tantos competitions e dhv 2-3. Esperamos a turma mais animada decolar, fizemos nosso vôo local, Reinaldo e eu pousamos na rampa e decidimos ficar por ali mesmo, devido ao local ser novo. Na verdade esse foi nosso erro, poderíamos ter saído para o Cross, pois o local realmente promete grandes vôos. Mas a turma de Niterói, voaram muito. A temperatura em vôo era cerca de 16 graus, porem com sol constante, mas não tinha como esquentar, estamos muito agasalhados, o local realmente é frio.A noite seguimos para o QG, Restaurante Paladar Mineiro, onde todos estavam lá, inclusive fizemos novos amigos e encontramos outros já conhecidos, nosso colega Ossinho (Alexandre Martins) e Milton Vilela e família.Nosso já conhecido colega, Durval Henke comandou o Brifieng, com os upload dos GPS para facilitar o processo de download nos dias seguintes. Após as apurações do dia, foram feitas as premiações dos melhores vôos do dia.   

   Definição de Prova

Sábado dia 20, chegamos na praça, onde estava concentrado as vans. Alem de super organizado, seguimos pra rampa, no maior conforto e tranquilidade. Novamente recepcionados com a alegria contagiante do local, não parecia um etapa com tanta importância, devido ao clima de descontração e alegria.

Após a definição da prova, 44 km, é dado a abertura da janela, vi um frenesi na decolagem, pilotos decolando numa pressa sem medida, vários errando a decolagens, muitos saindo numa pressa – parecia medo de perder o trem…Mas após uns 30 pilotos em vôo, decidi decolar com meu Advance Sigma 5 (dhv 2), pois achava que o vôo estava muito rápido, impressão que tive em ver tantos 2-3 e competitions na termal em frente a rampa.

 

  Celinho e a Lora 

 

Decolei e já fui pra o meio do pelotão, dentre uma das coisas que aprendi, foi ficar tranqüilo, mesmo em meio a tantos pilotos, mas sempre encontramos os chamados mocorongos, tinha piloto enroscando pra o lado errado ao definido no brifieng, mas vamos lá, tranqüilidade e voar… no meio do pelotão 2, subimos e saímos de maneira infeliz atrás do primeiro pelotão, muitos ficaram no meio do caminho, o vôo bem diferente do nosso estado, que geralmente segue-se com encostas ou com morros para escorarmos, era só termal e azul total, sem formações ou definição visual das termais, seguimos então lembrando dos ensinos do Frank Brown, no seu curso de XC, na busca de fontes de energia.No final do dia encontramos vários colegas que fizeram seus vôos, alguns merrecaram no pé da rampa, outros caíram no ultimo pilão, e assim foi o primeiro grande dia da etapa de são lourenço.  

Celinho e a Lora em Voo  Termal Decolagem na Rampa de São Lourenço  

 

Domingo, dia 21, subimos a rampa na mesma mordomia outrora relatada, mas ao achar meu lugar na rampa, sabemos que a preferência seria para os 15 primeiros colocados, mas tudo bem, tinha 120 pra decolar. Celinho e a Loura (urubu) fizeram o show de abertura ao publico que estava presente e para nossa descontração. Porem o dia apresentava a mesma condição de sábado, ventinho fraco, dusts passando pela rampa, céu azul. Estava pronto pra iniciar a prova do dia. Novamente o grupo da comissão de prova, não deixou fácil a prova, 48km, com triangulação voltando pra cidade, o céu ficaria lindo com tanto parapente.

 

Vista da Rampa e da Cidade  Rampa de São Lourenço

Apostei na saída cedo da rampa, subir junto aos tops. Ao decolar não foi diferente do imaginado, novamente um frenesi, mas colocamos a cara a tapa, mandando ver na termal junto aos tops. Tomei alguns sustos com colegas tomando fechadas bem perto de mim, e depois uma seqüência de fechadas, me fez afastar um pouco do grupo, onde acabei descobrindo uma fonte de energia e consequentemente um gatilho (aulas valiosas essas do mestre Frank), sai da altura da rampa pra quase 2200, preocupado com o teto maximo do dia, tentei manter naquela altitude, após muitas fechadas na área de cizilhamento, a tranqüilidade e o visual sem par, foram os momentos impar do vôo. Vi o pelotão 1 abaixo e vi a galera do pelotão 2 iniciando ainda a subida, e infelizmente vários merrecando. Mas estávamos ainda no inicio da corrida. O vôo seguiu como o dia anterior, faltou piloto e vela, ou só piloto, não sei ainda, rsrsrsrs, mas é certo que estou no caminho, entrando forte nas termais, tomando as decisões certas e erradas, aprendendo com os mais experientes, usando a tecnologia atual para otimizar o vôo, conversando constantemente com pilotos competidores, observando e coletando dados. O caminho tenho certeza que será esta, o aprendizado vem do esforço para alcançarmos um vôo melhor a cada dia.

 

Primeiro Pelotão  Termal 

 

Agradeço aos novos amigos pelos conselhos e dicas, e aos antigos fica meu forte abraço, pois eles sempre nos indicam novos caminhos, novas experiências, e nos incentivam a querer voar mais.

Agradeço ainda a minha família que serenamente aceitou essa nova fase da minha vida e do vôo. Espero continuar voando mais a cada dia e evoluir no vôo, e quem sabe voar alguns kms a mais, e poder contar as experiências.

Rampa   Termal 

Voltei de São Lourenço com muito mais bagagem, não só pelo prazer da viagem, mas da experiência em vários aspectos do vôo, das decisões, da importância do conhecimento, e da afinação entre o equipamento e o piloto.     

Termal  Voo em São Lourenço

 

Grande abraço a todos os pilotos que fizeram desta etapa uma festa, parabens a toda a equipe do Sul Mineiro, espero estar novamente neste grupo, para aprender mais um pouco.
Zenilson Rocha
Advance Sigma 5